08/05/2015

PARECE QUE É... MAS NÃO É

Pondicherry, ontem de manhãzinha:

Depois de uma tarde na praia e uma noite de conversa e cerveja, acordámos prontos para nos lançarmos de novo à estrada. O Luís desceu primeiro para dar uma vista de olhos à vespa, eu saí pouco depois com a mochila às costas.

Tínhamos um plano: subir até Mamallapuram e passar lá um dia; e depois continuar até Chennai, e procurar um bom mecânico que pudesse dar uns toques às motas enquanto nós íamos dar uma volta.

E que volta era essa?

O Inácio Rozeira está neste momento a terminar mais uma Aventura na Índia, a viagem que organiza com a Nomad. O mesmo Inácio Rozeira que, há uns anos, deu a volta à Índia num sidecar com a namorada, a Leninha. O mesmo Inácio Rozeira que eu encontrei uma vez em Khajuraho, outra em São Paulo - e tantas vezes no Porto. Colega, amigo, cúmplice de voltas.

Há umas semanas recebi uma mensagem sua a perguntar se eu ia passar por Bombaim nesta volta. Era giro se nos encontrássemos outra vez. Ainda por cima agora era a minha vez de estar em cima de uma mota. Confesso que fiquei com este encontro "atravessado". Mas a volta começou a levar-nos para a costa leste, e desde o início tanto eu como o Luís soubemos que era impossível chegar a Bombaim a tempo útil de encontrar o Inácio.

Decidimos voar de Chennai.

Daí a pressa em chegar lá. Porque queríamos voar a tempo de "apanhar" o Inácio em Bombaim - e, já agora, encontrar amigos de longa data que conheço de outras voltas, e também tratar de alguns assuntos pendentes.

Mas a Sorte trocou-nos as voltas.

Quando desci com as mochilas para a rua, o Luís continuava à volta da sua vespa, banhado em suor, "isto assim não vai a lado nenhum".

Decidimos levar a mota a um mecânico. Voltei a pôr as malas no quarto, fomos à procura de alguém que nos pudesse ajudar. Ainda era de manhã, tínhamos tempo mais que suficiente. Mas entre mecânico e sabe-se lá o quê, a manhã passou. O arranjo da mota prometia demorar mais um pouco... e entre uma chamuça e um biryani, mudámos as voltas às voltas.

E se de repente, em vez de irmos a correr para Chennai, sem aproveitar Mamallapuram, para depois deixar a mota sabe-se lá onde e chegar a Bombaim a tempo de dizer "olá" e pouco mais... se em vez desta correria toda ficássemos mais uma noite em Pondicherry, deixássemos as motas com este mecânico, que parece de confiança, e fossemos amanhã de manhã de autocarro para Chennai, directos para o aeroporto?

Ou seja: hoje.

Ou seja: estou neste momento a escrever do Aeroporto Internacional de Chennai. Vamos passar uma semana a Bombaim - sem as nossas vespas, que ficaram "em observação" no melhor mecânico de Pondicherry - e vamos matar saudades de amigos vários e receber informações preciosas do Inácio, que sabe melhor que ninguém a viagem que estamos a fazer.

As motas, como disse, estão em Pondicherry. Ficam lá uma semana, até voltarmos de Bombaim. E então continuamos com a viagem, com calma, sem metas desnecessárias, mantendo o espírito fiel à aventura.

3 comentários:

Antonio Galrinho Simões disse...

A loucura total. eheheheh

Clara Amorim disse...

That was an excellent idea...! :)

GeoTonica disse...

Desculpem meter-me na conversa...eu faria o mesmo!
Vamos lá dar uma volta...eu fiz batota já vi os capítulos da frente...Bombaim...perdição total...