26/01/2013

O MELHOR BÚN CHẢ DA MINHA VIDA

Depois das voltas matinais pelo Bairro Antigo, hoje decidimos ir à procura de um bún chả que, segundo alguns insiders, é o melhor do mundo.

Pesquisei a morada na net, tirei nota mental do mapa e lá fomos nós, Hánôi acima, debaixo de um céu que teima em ficar cada vez mais carregado, sem necessariamente descarregar em chuva, granizo ou outros fenómenos fantástico-meteorológicos.


Foi por um triz que encontrámos o lugar. Até já tínhamos passado o sítio certo, mas os números das portas deixaram de fazer sentido e resolvemos dar uns passos atrás à procura do Bún Chả 34 - e lá estava, um cartaz meio escondido pela sombra de um telhado de zinco, pessoas em pé à conversa, em frente a uma loja fechada, bancos de plástico e baldes cheios de água - mas não havia "cozinha", não havia sinais de ser servida ali comida e, por momentos, pensei que tivéssemos chegado tarde demais.

Aproximámo-nos de uma árvore cheia de molhos de chaves pendurados e uma senhora fez-nos sinal para entrarmos por um corredor escuro e sujo - o que fizemos, já a sorrir, ou não fossemos ambos adeptos de experiências "fora do baralho".



O corredor dava acesso a um mini pátio onde, a um canto, uma mulher cozinhava o que já se adivinhava, pelo aspecto, um bom bún chả. Havia uma espécie de garagem cheia de gente sentada rente ao chão, quase em silêncio, concentradíssimos na comida. Mandaram-nos sentar no "pátio", numa mesa improvisada a partir de um contraplacado, onde já estavam dois homens a comer.

"Hai?", pergunta-me uma rapariga.

"Hai", respondo.

"Hai" quer dizer "dois".

Pousaram duas tigelas com uma quantidade de carne mais generosa que a Madre Teresa de Calcutá, um prato enorme de noodles, um cesto de verduras - e perguntaram-me se queria "nem". Eu disse que sim, e pouco depois estava mais um prato na mesa, com dois crepes chineses cortados aos bocados com uma tesoura.

O Tiago montou a câmara no tripé, pois queria filmar a experiência. Eu esperei pelo momento certo, fiz uma breve introdução, peguei num bocado de carne com os pauzinhos... e foi como se um mundo a preto e branco ganhasse cor de repente, não me consigo lembrar de outra maneira de descrever a sensação. Mas foi isso. Foi uma explosão. Nem sei que cara fiz para a câmara, porque quase me engasguei com a pressão de dar um veredicto. Queria rir e queria respirar, queria mastigar e saborear cada momento. E provavelmente fiz o ar mais enjoado do mundo.

Este foi, até ao momento, o melhor bún chả da minha vida.




E depois desta experiência, só tenho pena de estarmos quase de partida, porque seria muito interessante ir atrás do melhor bún chả de Hánôi. Quem sabe, noutras passagens por aqui, resolva investir um pouco do meu tempo a explorar a cidade com esse objectivo.

"Jorge Vassallo em Busca do Bún Chả Perdido"

Depois escrevo uns posts no blog sobre as aventuras e peripécias, publico um livro que se transforma num bestseller mundial, e um estúdio de Hollywood compra os direitos da história, o Tarantino faz um filme com o Leonardo DiCaprio a fazer de Jorge Vassallo e a Lucy Lu faz de menina que serve o bún chả, e vamos aos Óscares, e a festas com a Paris Hilton e a Pépa Xavier, já me estou a ver de flute de champagne na mão, a rir em fotografias para a Hola!, e depois crio a Fundação Bún Chả, que doa dinheiro para a preservação deste património cultural único, e o Vietname resolve agradecer-me a projecção que dei ao país e oferece-me uma ilha, onde faço festas com os meus novos amigos de Hollywood, a Angelina Jolie pede-me a casa emprestada para passar férias com os miúdos, eu ando pelo mundo fora a dar palestras sobre o bún chả... e depois vêm os boatos, a imprensa sensacionalista, os papparazzi e os escândalos, as revelações exclusivas, a queda do mito, e um dia vou à Oprah esclarecer tudo e pedir desculpas, escrevo mais um livro e ganho um Nobel... que canseira, este meu futuro!

Tudo por causa de um bún chả.

5 comentários:

Clara Amorim disse...

Sem dúvida, Jorge!
Tens um futuro brilhante à tua frente...! :)

Anónimo disse...

Bis, A repetir .....!!!!

Adoro a Ásia disse...

O meu prato favorto em Hanói. tem de ser na rua. obrigado pela partilha, Jorge

Unknown disse...

Já está nos meus "A Não Perder" quando for a Hanoi! Obrigadaaaa

Nuno Caldeira disse...

Opá, gostei mesmo deste post!!! E em especial do chorrilho de excentricidades do final! :)