29/08/2011

OS ANJOS DA GUARDA

O post "Sabes que estás na Rússia", que publiquei há exactamente duas semanas, acaba com uma frase que pode não ter feito muito sentido para a maioria das pessoas - mas que é uma verdade incontornável na Rússia. Dizia assim:

"Há um coração grande e sorrisos escondidos atrás das esquinas, não se preocupem. Quando menos se espera, eles aparecem."

A primeira vez que experimentei esta máxima foi no metro. Estava meio-perdido, a tentar chegar à Embaixada da Mongólia, quando um jovem moscovita se prestou a desviar a sua rota para me levar até à ligação certa. Acompanhou-me ao longo de várias estações, trocámos uma vez de linha e pouco depois indicou-me que tinha de sair na terceira paragem. E voltou à sua vida.

Mas foi em Nizhni Novgorod, sem dúvida alguma, que esta espécie de "anjos da guarda" atingiu o extremo. Era quase uma da manhã e eu a ver, como se diz, "a vida a andar para trás". Os hoteis estavam todos cheios ou não me queriam receber, sabe-se lá porquê. E eis que surge um casalinho-pipoca, os dois muito giros, de mochila às costas e uma gaiola com um mangusto. Encontrei-os à porta da estação, perto do hotel de onde tinha sido enxotado ainda há poucos minutos. O rapaz perguntou-me, num inglês de muito poucas palavras, o que se passara - e eu aproveitei a disponibilidade para lhe pedir que intercedesse a meu favor junto da recepcionista. Ou, pelo menos, que tentasse perceber porque não me davam um quarto.

Resumindo a discussão e respectiva tradução - a mulher não queria dar-se ao trabalho. Inventou desculpas, argumentos e superstições - e por muito que o miúdo insistisse, não cedeu. A dada altura começou a enxotá-lo também... e acabámos os três na rua. Os três não: os quatro. Eu, a Lena, o Elvin e o mangusto.

"Desculpa. Ela não gosta do trabalho dela e é infeliz. Por isso é que descarrega em nós", diz a Lena.

"Mas disse que há um hotel algures naquela direcção", acrescenta o Elvin, a apontar para algures, "vamos ver se o encontramos."

Eu agradecia, pedia desculpas, já nem sabia muito bem o que dizer - mas eles insistiam em ajudar. Estavam a fazer horas porque tinham um comboio às seis da manhã...

"... e não custa nada."

E eu só queria abraçá-los. Eram lindos. Os dois e o mangusto cujo nome já não me lembro.

Acabámos por encontrar o hotel, depois de perguntar a este-e-aquele, voltar-para-trás, o-costume. Não tinha qualquer indicação à porta e era um lugar muito-muito humilde, tipicamente soviético, cheiro a mofo, pouca luz. A recepcionista recebeu-nos com as trombas a que já me começo a habituar, dizia que não me queria receber por causa do registo... e só cedeu depois de muito insistirmos, e depois do Elvin dar o passaporte dele para se registar em meu nome. E depois de eu prometer que saía até às oito da manhã, sem falta.

Feito o check-in, a mulher transformou-se.

Não no sentido literal, tipo lobisomem ou vampiro. Ainda não chegaram a este ponto, acho que isso é mais na Roménia.

Mas perguntou-me se queria um café ou chá, começou a tentar fazer conversa, até insistiu para que os miúdos tomassem um duche antes de voltar para a estação. Acabaram por lá ficar a dormir umas horas, free of charge, nem lhe passava pela cabeça a ideia de os deixar dormir na rua. Incrível.

Depois do duche e do café, fui à rua fumar um cigarro. A recepcionista acompanhou-me e ficámos em silêncio a olhar para a rua cheia de garrafas de vodka e latas de cerveja encostadas aos muros. Passou um carro com a música aos berros e, depois do som desaparer na escuridão, sinto a mão dela a tocar-me no pulso direito.

"És hippie?"





Eis os meus anjos da guarda:



6 comentários:

LV disse...

Primeiro temos de agradecer e muito aos ANJOS DA GUARDA.Obrigada .... e depois tenho que perguntar: será que têm medo dos hippies ?????

Helena disse...

um furão :)

catarina.com disse...

=) anjos da guarda mesmo!!! os hippies devem ser uma espécie muito rara por essas bandas... uma coisa que se via muito nos EUA mas que depois desapareceu...!

Mafalda disse...

AHahahah! És hippie é muito bom!

cristina disse...

Jorge, e discriminação? Eu vou à Rússia em Outubro e comecei a ficar com algum receio desde que comecei a ouvir falar em islamofobia. É que não sou propriamente loira de olho azul ... :)

JP disse...

"A mangoose? In Russia?" (estava a recordar-me dos Monty Python e da deixa "A tiger? In Africa?").
Pois, são parecidos, mas o dito mangusto parece-me mais um furão. A não ser que seja um mangusto disfarçado de furão...
A Rússia faz-me sempre lembrar que ainda há espiões...

Boa viagem