28/08/2013

HÁ ENCONTROS ASSIM

Oiço ao longe o som seco e abafado de pancadas, como se alguém estivesse a bater a uma porta imaginária, em segundo plano de uma fotografia a preto e branco. Sinto o rosto quente, acho que estou a flutuar algures entre nuvens, não sei muito bem que sensação é esta, uma paz profunda... mas ao longe o barulho continua, cada vez mais insistente, mais alto: acordo.

Levanto-me da cama, onde é que eu estou, que quarto é este, em dois saltos estou como-que-por-magia junto a uma porta. E abro-a. Do lado de fora, à minha frente: duas raparigas com traços asiáticos, mas claramente de alguma ex-república soviética. Muito giras, as duas. Onde é que eu estou. Uma delas não pára de sorrir, a outra esforça um "wrong number" e diz numa língua que não reconheço, para a amiga, que não é ali, que o número está errado, deve ser isso.

Eu: ainda a voltar ao planeta, pergunto o que se passa, elas trocam impressões uma com a outra e quando estão prestes a ir embora oiço uma voz rouca chamá-las de dentro do quarto.

Elas sorriem:

"Papá?"

Viro-me para trás e vejo um velhote a levantar-se e a rir, a dizer qualquer coisa em estrangeiro, às miúdas. É o meu companheiro de quarto. Deve ter uns setenta anos, é do Cazaquistão, vai para Pequim de férias com a mulher e as filhas. E estas duas do lado de fora: devem ser as filhas.

"Muito giras", digo-lhe quando fechamos a porta e ficamos só os dois outra vez. Ele sorri e diz-me qualquer coisa que eu não percebo. Foi assim parte da tarde, ele a falar a língua dele e eu a minha, nem vale a pena tentar o inglês. Mas lá nos entendemos.

Espera lá: mas afinal, porque estava eu com um velhote cazaque no quarto?

Rebobinemos:

Urumqi. Diz que é a cidade que fica mais longe do mar, no mundo. Já a tinha "fisgada" no meu Imaginário há algum tempo - porque sim, por razão nenhuma, porque o nome soava a "qualquer coisa". Quando marquei o meu voo da China para a Turquia, há uns meses, fi-lo de maneira a passar uma tarde aqui. E no entanto, quando saí de Xian estava tão cansado que já não me apetecia nada ir dar voltas sabe-se lá por onde. Decidi ficar no aeroporto, durante as sete horas de escala entre Xian e Istambul.

Mas quando cheguei ao aeroporto, o Destino tinha uma surpresa reservada para mim. Um miminho. Mal aterrei em Urumqi dirigi-me ao balcão dos "connecting flights", para confirmar a hora do voo, o lugar, etc - e qual não foi o meu espanto quando a menina sentada do outro lado me diz que a China Southern Airlines tinha um quarto para mim, na cidade, com deslocação gratuita e tudo, onde poderia descansar durante a tarde.

Assim foi: deixei-me levar por esta cortesia e lá fui eu conhecer Urumqi. Deixaram-me à porta do hotel, combinámos a hora de regresso ao aeroporto, tinha cinco horas para não fazer nada, ou para passear, o que me apetecesse. Resolvi ir dar uma volta.

Mas não fui muito longe.

A cidade parecia muito pouco interessante, estava relativamente longe do centro, já não tinha muito dinheiro e pouca vontade de trocar mais euros, e a presença de alguns militares na rua dissuadiu-me de passear "à deriva" com uma mochila-tesouro, onde guardava o computador, máquina fotográfica, telefone, dinheiro, documentos, etc, etc, bla, bla, bla...

Ou seja: depois de dez ou quinze minutos às voltas sabe-se lá por onde, resolvi voltar ao hotel e ficar a descansar. Bem que precisava.

Na recepção avisaram-me que teria de dividir o quarto com outra pessoa. Se quiser um single tem de pagar um extra. Venha de lá o companheiro-mistério, então. E que companheiro. Quando entrei no quarto, dei de caras com o tal velhote, já não me lembro do nome. Como já disse: ele não falava uma palavra de nenhuma língua que eu conhecesse, e vice-versa. Mesmo assim conversámos um pouco.

Antes de adormecer, lembro-me de olhar para a cama do lado. O velhote já ressonava, baixinho.

Depois adormeci, acordei com as pancadas na porta, voltei a dormir e só despertei outra vez quando o telefone tocou, era a menina da recepção a avisar que "daqui a meia hora vêm cá buscá-lo".

Desci. Enquanto esperava pelo condutor alucinado que me ia levar de volta ao aeroporto, o velhote apareceu com a sua esposa. Fomos apresentados, ela disse qualquer coisa e eu respondi qualquer coisa. Convidaram-me para jantar com eles e eu agradeci, "tenho de me ir embora para Istambul". E quando finalmente chegou a hora, o senhor abraçou-me e desejou-me uma boa viagem, acho eu. E eu a ele.

Há encontros assim.

2 comentários:

Clara Amorim disse...

Há crónicas assim... Encantam-nos!!!

Melissa Jazmín disse...

Essa grande peituda fode em um ménage safado, três porno stars safadas se divertindo no chuveiro


Lisa Ann e Rachel Starr são muito boas no boquete, Lisa Ann está de volta para uma cena de sodomia pornô


Mega bukkake no gangue-bangue, Morena adolescente em um gangue bangue interracial, Dupla-penetração maluca para uma loira


Porno amador de gostosa dando cu de ladinho, Caroline Brasileira de Osasco engolindo cacete, Chupando cacete do amigo


Esposa vagaba fodendo muito de quatro, Amadora rabuda dando o seu cuzinho apertado, putinha novinha dando pro cunhado


Mãe safada dando para os dois amigos do filho, Filho da puta fodendo a mãe do amigo,Mãe bateu punheta para o filho no banho e chupou


Assistindo: Dona de casa gangbanged por construção sexo anal - Pornô e Sexo, Sexo e putaria em família – vídeos de incesto


Assistindo: Dois paus grande brasileiros em seu ânus juntos - Pornô e Sexo, Mãe chupando a filha novinha virgem de 18 anos


filha pega o celular da mãe e descobre que o pai é corno do tio e que o corno do pai n, Filho fode sua propria mãe enquanto ela dorme


Morena mulher peituda no banheiro comendo pau para cum, Assistir Porno vários bebês dando handjobs até que eles estão cheios de cum


Beber Xixi Peituda Amador online pornographic movie, Bebidas vagabunda homens asiáticos fazer xixi em uma orgia


Sexo proibido com uma estudante no ônibus, Estudantes brasileiros fazendo sexo em publico dentro do ônibus escolar


Sexo a três amador com duas mexicanas anônimas, Modelo mexicana transando com o namorado, O lutador mexicano fode a namorada na bunda