10/10/2014

UMA DÉCADA

Uma década?!

Sim senhor: dez anos às voltas no blog. Quem diria. Quando isto começou eu sabia lá o que era um blog, e as voltas que isto ainda ia dar.

Dois mil e quatro.

Tinha viajado quase-um-ano, quase-à-volta-do-mundo, na primeira aventura em que me lancei sozinho, depois de não-sei-quantos inter-rails, não-sei-quantas viagens de mota com os amigos, algumas fugas e férias mais "tradicionais".

Voltei de barriga cheia mas depressa fiquei com mais fome. Enchi o porquinho com o que ganhei no Euro 2004, onde trabalhei para a uefa.com, acompanhando a imprensa internacional; e mal o Verão acabou, fui dar mais uma volta: seis meses na Índia.

Decidi então começar a escrever num blog, pois era a forma mais prática de me manter em contacto com amigos e família. Um ano antes, tinha aberto uma conta de correio electrónico no yahoo chamada "fuidarumavolta", de onde enviava mails a contar as peripécias da viagem que me levou Europa e Ásia dentro. Mas precisava de mais do que um mail. E assim nasceu este blog.

Fui dar uma volta.

Uma volta ao mundo, uma volta ao quarteirão, uma volta ao bilhar grande. Uma volta pode levar-nos a tantos lugares, a tantos acontecimentos. E a estados de espírito. Uma volta pode ser a volta à forma como vemos o mundo, as pessoas, as interacções e as ideias. A tudo que damos por garantido, ao que aprendemos que era como-deve-ser, às causas e consequências, aquilo que liga umas coisas às outras. Uma volta pode ser uma volta ao tempo, porque o Ontem e o Amanhã não são os mesmos em todo o lado.

Uma volta ao Agora.

Uma volta ao Aqui.

Uma volta ao Eu.

Confesso que às vezes, dez anos depois, ainda me sinto tonto com tanta volta. Com a confusão de geografias, o lugar de onde venho, onde estou, para onde vou. Mas faz parte, lembro-me a mim próprio. E claro que há dias que só me apetece estar quieto em casa; e outros em que me dá uma insuportável comichão de ir. Só estou bem onde não estou, não é? Não sei. Cada momento, cada lugar, cada sensação é uma história. Imagens, sons, cheiros, sabores. E cada história é uma volta ao  mundo que eu sou.

Dez anos.

Podia demorar-me em números - eu gosto de números -, mas não é por aí que vou, hoje. Apesar de ser um número que dá o mote a este post.

É que apesar dos números na paisagem, é de palavras e sentimentos que se pinta esta fotografia. Tanto mudou, em tanto tempo. E tantas outras coisas continuam iguais. Mas não é por aí, Jorge. Não é por aí. Pensa no blog. Dos momentos de hiperactividade criativa a alturas de uma aparente apatia ou abandono, este blog já passou por muito. Algumas voltas serviram de desculpa para picos de partilha, para outras achei que o ideal era nem passar por aqui. Os seis meses iniciais e todas as outras passagens pela Índia. A viagem de bicicleta com o Carlos Carneiro, com mil euros no bolso, que nos levou a Dakar e a algum reconhecimento público. A primeira vez que fiz o Transiberiano. A descoberta da América do Sul com o meu amigo indiano Bunty. A paixão por Angkor Wat e os inúmeros regressos ao Sudeste Asiático, com os grupos da Indochina. É que em dois mil e nove juntei-me à família Nomad e comecei a ter ainda mais motivos para partilhar aqui as peripécias e os encontros, as curiosidades e os insólitos. Entre as voltas com os grupos e as minhas próprias voltas, fui alargando horizontes e lançando algumas âncoras, desbravando caminhos, estreitando laços. Depois abri um perfil no facebook e comecei a assumir uma postura mais disciplinada no blog. Mas nunca me afastei da missão inicial: partilhar a minha paixão de "ir" e os momentos e os encontros que daí surgem; provocar um bocadinho os outros, qual beliscão no rabo, qual piscadela de olho, para que mais se lancem nas suas voltas.

Sem pieguices, mas é mesmo assim: muito mais que geografias e calendários, é de pessoas e momentos que se fazem estas voltas. Por isso é que não me importo nada de regressar vezes sem conta aos mesmos lugares, reencontrar as mesmas pessoas, repetir os mesmos percursos. Por isso é que uma tarde pode valer tanto quanto uma semana. Por isso é que uma viagem no IC19 pode ser tão emocionante quanto uma ascenção ao Kilimanjaro. As voltas são o que nós fazemos delas. As voltas somos nós.

As minhas voltas: sou eu.

E o mapa deste mundo que sou tem sido desenhado, em boa parte, neste blog.

Passaram dez anos? Esperam-te pelo menos mais dez, fuidarumavolta.

7 comentários:

lv disse...

Parabéns ao blog, e principalmente parabéns para ti Jorge, lembro-me bem do teu 1º inter-rail, o nervosismo, o grupo na partida em santa apolónia, que engraçado, olho agora para trás e eras mesmo um miúdo, cresceste mesmo em idade mas continuas a ser o mesmo Jorge de sempre, continua assim, tenho a certeza que muitos mais 10 nos virão, sempre em voltas, sempre tu. Bj grande

Anónimo disse...

Parabéns!
Conheci o blog há muito pouco tempo mas já não deixo de cá vir :)
O próximo passo é ir numa dessas grandes viagens da nomad!...

Anónimo disse...

Já não passo sem o "fui dar uma volta"... Dia sem post não é dia!

Paula Simoes disse...

Parabéns pelo excelente blog! Adoro viajar com fuidarumavolta :)

Clara Amorim disse...

Que mais dizer...!
Fã número UM!!!

A. Vagamundos disse...

Muitos Parabéns Jorge. Começamos a seguir as tuas aventuras, fruto do projecto "Até onde vais com mil euros" . E desde aí ganhaste mais dois leitores assíduos :)
Abraços nossos

{TheSneakPeaks} - anaheleno disse...

Inspirador!!! Nas imagens e nas palavras! Obrigada pela partilha desta forma despretensiosa e feliz! Que é tão tão inspirações! Parabéns pela primeira década ;