03/10/2011

A VINGANÇA DE FARTAROTTI


Depois de uma primeira noite recheada de estrelas e sonhos, o segundo dia acordou cinzento e chuvoso. Passámos toda a manhã dentro do ger, já a desesperar porque era impossível sair. Só o coreano, que obviamente estava preparado até para o Dilúvio, é que sacou do equipamento de chuva e lá foi passear.

Felizmente, depois de almoço o tempo melhorou. O japonês foi embora para UB, o coreano estava algures a explorar - sobrava eu, os holandeses, os ABBA, a espanhola... e o americano? Onde está o Eric?

"Foi embora com o japonês, não estava a gostar disto aqui, prefere ficar no hostel onde tem net e está mais confortável."

Hmmm. Ok.

Mal acabámos de almoçar, saímos para mais um passeio a pé. Estava prometido uma cavalgada à tarde, mas só alguns queriam repetir a dose - eu inclusive, pois já tinha percebido a técnica de acelerar o cavalo, e esperava uma volta mais emocionante. Nem imaginava quanto.

A caminhada - essa, sim - foi emocionante. Decidimos explorar uma montanha e subi-la até ao topo - e fomos, sem querer, pelo caminho mais difícil. Foram duas horas de subidas a pique e escaladas, enfiados numa floresta... para, na recta final, percebermos que havia um caminho muito mais fácil. Mas a vista compensou tudo.


























E quando voltámos ao acampamento, os cavalos estavam prontos.

Saímos - eu, uma das suecas e o casal de holandeses (os outros "cortaram-se"). Tinha-me calhado o Fartarotti, que não ligava nenhuma aos truques que tinham funcionado com o outro, ontem. E que continuava a cantar como se estivesse no Eurofestival da Canção.

Os miúdos levaram-nos pelo mesmo caminho do dia anterior, e ao fim de meia hora a arrastarmo-nos pela estepe, e depois de muito insistirmos que queríamos um trote ou um galope, pedimos para voltar para trás. Estávamos fartos.

Foi então que eles cederam.

"Nós agora vamos por outro caminho, e galopamos um bocado nessa parte."

OK. Vamos lá então.

E acelerámos. Primeiro um trote de dois minutos, limpinho, sem problemas. Depois galope por um bocado, sentia-me um autêntico Ghengis Khan a cavalgar na estepe, venham de lá os inimigos que eu dou cabo de todos. O Fartarotti ameaçou com um passo de dança inesperado, quando um bocado de terra saltou debaixo da pata de outro cavalo - mas aguentei-me sem dificuldade, e nem sequer perdi a confiança. Tinha sido só um pequeno susto.

Abrandámos um pouco, eu e o holandês queríamos mais - tínhamos adorado. Que sensação maravilhosa, há alguns anos que não galopava assim, senti-me um miúdo outra vez, na quinta de uns amigos em Sintra, onde costumávamos andar a cavalo por todo o lado.

Os miúdos também estavam entusiasmados. Depois de uns minutos a passo, perguntaram-nos se queríamos mais.

"Sim!", respondi eu e o holandês.

As miíudas não estavam tão entusiasmadas. E continuámos a passo mais umas centenas de metros. Mas os rapazes tinham ficado picados, e acharam que podiam esticar um bocadinho mais a corda. Puseram os cavalos a galope outra vez, eu já não era só Ghengis Khan, eu era o John Wayne e o Clint Eastwood num só, eu era o Lucky Luke, o Zorro das estepes. O vento frio na cara, o ritmo do cavalo a acelerar-me o batimento cardíaco, o calor da sua respiração do seu corpo...

...e de repente.

O mundo pode mudar num momento.

Pode acabar tudo. Ou só transformar-se. Será que está escrito? Haverá um Destino? Poderia ter sido evitado?

E de repente: mais uma reacção inesperada do Fartarotti, que se assustou com qualquer coisa e travou a fundo enquanto, ao mesmo tempo, deu uma guinada para a direita. Ainda o vi embater noutro cavalo, mas foi tudo muito rápido, só senti a cara a bater na terra.

Tudo. Negro.

3 comentários:

Anónimo disse...

Oh Jorge coitado.... agora que estava a parte mais emocionante do blog... pronto acabas e não contas mais.
Adoro ler os teus diários.
Um grande beijinho cheio de saudades
Tia Guida

Clara Amorim disse...

Finalmente o mistério do sangue desvendado...!
Ainda assim, prevalece sempre o sentido de humor...

Espero que já esteja tudo curado!

Isabel_Lopes disse...

Tudo negro?? Não podes terminar o artigo assim neste suspense!! Obrigada por partilhares estas experiências.