29/11/2013

39.4ºC

O telefone diz-me que estão vinte graus lá fora... mas estou a tremer de frio.

Deitado numa cama verde, num quarto do hospital de Luang Prabang, vejo à minha volta: o meu amigo Xay, uma enfermeira que podia muito bem ser a realização de uma fantasia - e quatro estudantes de medicina, que quase sem se mexer absorvem cada movimento, cada palavra, cada reacção minha. Na cama ao lado está um monge, já velhote, a debater-se com o robe laranja enquanto o médico conversa com ele.

Viro a cabeça na direcção do monge. Não porque esteja especialmente interessado no que se passa com o senhor, mas porque faz-me impressão ver agulhas. E a enfermeira-fantasia está a preparar-se para espetar uma na minha mão.

Picada. Faço um choradinho tímido e ela chama-me "baby".

Mas como é que vim aqui parar?

Tudo começou ontem ao fim da tarde. Tinha voltado da aula de culinária lao, traduzi a receita do ckicken laap para português e partilhei-a aqui no blog. Sentia-me cansado, o que é normal ao fim de dezoito dias intensos de viagem pela Indochina. Sentia o corpo a pedir descanso, a reclamar atenção - andava com dores de garganta e alguma tosse, mas pouco mais.

Decidi fazer uma massagem, portanto.

Escolhi uma oil massage, que era a mais relaxante, despi-me e deitei-me numa marquesa, enrolado numa toalha. Veio a menina e começou a massajar-me pernas e costas, eu quase a adormecer, estava no céu... quando, de repente, a ventoinha sopra na minha direcção ao mesmo tempo que ela pressiona os ombros... e um arrepio atravessou todo o meu corpo. A partir daqui, tudo mudou. Comecei a tremer, cheio de frio, não conseguia relaxar e pedi para desligarem a ventoinha. Mas nada funcionava. Não conseguia parar de tremer. Acabei por voltar para o hotel, sempre cheio de frio, o corpo todo a doer, como se tivesse sido espancado.

Deitei-me na cama, vestido. Lençol e edredon por cima, e mesmo assim tinha frio. E depois calor. Comecei a suar, sentia-me cansado e fraco. Quando o meu amigo Xay chegou, até falar me custava. Vimos a temperatura: tinha 39.2ºC. Uma hora depois: 39.4ºC. Mais outra hora: a mesma coisa.

Passei a noite a suar, troquei de roupa várias vezes, hoje de manhã acordei com uma pilha de t-shirts molhadas ao lado da cama. E fui para o hospital. A febre tinha baixado muito pouco, para 38.6ºC... não me saía da cabeça a ideia de que estava com dengue.

Fiquei uma hora ligado à garrafinha, antibiótico directo para a veia. O médico explicou-me que tinha uma amigdalite aguda, receitou-me antibiótico e estimou três a cinco dias para ficar bom. Não achou muita piada ao facto de voar para Hanói hoje... mas tenho mesmo de ir. Depois de amanhã começa outra edição da Indochina. E tenho que estar fresco e forte, até lá.

5 comentários:

LV disse...

O que posso dizer ... se estivesses cá, eu tratava de ti, mas como estás tão longe e és forte, eu diria 2/3 dias e ficas como novo.
Mas aproveita para descansar o máximo que o antibiótico tb te deita a baixo. Umas vitaminas e uns suminhos ajudam depois.
As melhoras rápidas, grande beijinho :)

Cyntia Lima disse...

se precisares de uma enfermeira ;)..melhoras!!

Diogo Martins disse...

Vais ver que ficas melhor, cuidado com a possibilidade de contraíres Febre Reumática!

Fruta e hortaliça se conseguires!

Abraço :)

Filomena Viegas disse...

Fónix... Rápidas melhoras, e por nós (3) no dia 01. podes ficar no choco, que o pessoal dá com o Lucky hotel, na boa... Rápidas melhoras! Abafa-te!!!!Até domingo!

Clara Amorim disse...

Rápidas melhoras, valentão! :-)